Na Pele de Quem Tem TDAH

Numa sala de aula com 20 crianças basta um Joãozinho inquieto e hiperativo para botar fogo na classe e deixar os cabelos da professora brancos como neve. Apesar de engraçado nas anedotas, o menino que pula, trepa, sobe e agita, mesmo sem querer, causa transtornos para os que dividem com ele o dia-a-dia e para si mesmo também. Lembro de um garoto cujo apelido era "foguetinho"! Imagine o desespero de professores, diretores de escola, bedéis e da mãe para lidar com o foguetinho. Na década de 80 não se falava em TDAH e o menino era tido apenas como mal-educado ou endiabrado. Mas enquanto todo mundo quer apagar o pavio do foguetinho com medicações e terapias, poucos se preocupam em ver como ele se sente por dentro.

 

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) parece ter aumentado, em termos de prevalência, nas últimas décadas. Em parte pela clarificação dos critérios diagnósticos e também pela difusão de informação a respeito da condição, pela internet e redes sociais, que aumentaram o reconhecimento do problema. Mas, além do aumento da detecção, parece estar havendo um real aumento na incidência da patologia, seja pela exposição das crianças a uma enxurrada de estímulos sensoriais cotidianamente ou pela falta da atuação dos pais no estabelecimento de limites para os cérebros em desenvolvimento.

A presença de alguém que desmonta a estrutura social causa um desconforto nos outros que, naturalmente, reagem, tentando submeter e enquadrar o subversivo. Em consequência, são muitas idas à sala da diretora, muitas anotações e reprovações, além de alguns convites para procurar outro lugar para estudar. Tudo isso causa terríveis impactos sobre quem sofre com o TDAH.

Compreender melhor o problema pelo ponto de vista de quem o carrega pode nos ajudar a acolher bem quem precisa de apoio. Vamos agora explorar um pouco o universo de quem porta essa condição, comparando a visão externa que se tem dele com os efeitos dessa visão sobre ele.

As críticas frequentes (sem atitudes que realmente ajudem) minam a autoestima da criança acometida com TDAH e geram grande frustração. Mesmo tendo um desejo genuíno de se enquadrar e ser bem recebido, a hiperatividade impede que o garoto ou garota ajam como queriam. O resultado é uma sensação de desesperança, já que por mais que se esforce, nunca consegue chegar à altura das expectativas que se impõem sobre ele.

Uma vez que os professores se cansem de tentar "ajustar" aquela criança impossível, passam a recorrer a punições que se traduzem, de modo geral, como atos de ostracismo. São os castigos no intervalo, as tarefas na biblioteca longe do resto da classe ou as horas passadas sentado na sala da diretora. A tradução disso, no mundo mental do portador de TDAH, é um sentimento de abandono e de exclusão. Uma vez convencido de que ele não se enquadra e nunca vai ser bom o suficiente para aquela sociedade, o indivíduo deixa também de se importar e se acomoda à margem... vira um marginal. Até um terço dos portadores de TDAH abandonam a escola antes de completarem o ensino médio. Também o uso de drogas é aumentado nesse grupo e pode ser prevenido com o tratamento adequado durante a infância.

Paradoxalmente ao péssimo desempenho nas atividades escolares, boa parte das crianças com TDAH têm uma inteligência acima da média. Alguns são mesmo portadores de altas capacidades, como se denominam, tecnicamente, os pequenos gênios. Mas mesmo com grande rapidez de raciocínio(por isso alguns são tão encantadores e engraçados), não conseguem produzir resultados no nível de suas habilidades. Em inglês, diz-se que são "underachievers". Alcançam menos do que poderiam. A condição de underachiever é vista desde fora, mas tem também sua contrapartida interna.

Tendo a intuição de suas próprias capacidades e percebendo que nunca atingem seu nível potencial, os portadores de TDAH tendem a se sentirem incompletos. Têm a sensação de estarem devendo sempre para si mesmos, para os outros e para o mundo. A ansiedade que apresentam pode ser uma tradução dessa infelicidade interna. E tem mais...

Cerca de um quarto das crianças com TDAH têm o que se denomina de comportamento oposicional-desafiador. Esse comprometimento social parece ser próprio da doença e não apenas uma consequência de sua inadaptação ao meio. Pessoas com esse problema têm, entre outras coisas, dificuldade de perceber como o outro se sente e precisam ser treinados para se colocar no lugar do outro. Para os adultos, são apenas desobedientes e mal-educados e merecem mais punições, pois só assim "aprenderão". Acontece que não se deve punir uma criança por uma atitude não-intencional. Isso é uma coisa que poucos educadores percebem.

Dificuldades em se relacionar com figuras de autoridade e de perceber o que os outros sentem, leva as pessoas hiperativas a se sentirem frequentemente injustiçadas. Afinal, para elas o que falta é compreensão por parte dos outros. Mesmo os que se controlam e se adaptam, ao serem perguntados revelam que muitas vezes têm vontade de dizer não, só para contradizerem uma instrução ou comando e têm que lutar contra isso constantemente, para não sofrerem mais ainda.

Para finalizar, vejamos a questão do hiperfoco, outro sintoma típico do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. As crianças com TDAH têm dificuldade em recrutar sua própria atenção e de manter a concentração, para elas é um tormento terem que se esforçar em uma atividade continuada e desinteressante, por isso evitam fazer suas tarefas. Mas embora tenham dificuldade de gerar atenção, em alguns momentos relacionados a muito estresse, apresentam grande capacidade de concentração e manifestam todo seu potencial adormecido. A isso se chama de hiperfoco.

Na prática, vemos as crianças e adolescentes com TDAH deixarem as coisas sempre para a última hora, pois só assim atingirão o grau de estresse suficiente para desencadear o estado de hiperfoco que lhes permite realizar as tarefas. Interiormente, tentam várias vezes começar a fazer suas obrigações mas não conseguem, adicionando um pouco mais de ansiedade com a passagem do tempo. Em resumo, têm um sofrimento crescente com grande ansiedade até que conseguem atingir o nível de estresse do hiperfoco e fazer seus deveres. O pior é que depois de completarem a tarefa, sentem-se aliviados e esquecem-se de colocar na bolsa para entregar para a professora no dia seguinte. Essa condição acompanha o indivíduo desde a infância e se estende pela adolescência e vida adulta, dando o tom de suas relações de trabalho e afetivas.

Cuidar de quem tem TDAH exige empenho, amor e desejo sincero de ultrapassar os limites. O apoio de profissionais competentes e a realização de um pacto entre pais, educadores e profissionais da saúde mental é imprescindível para que esses indivíduos especiais se desenvolvam e contribuam, com sua maneira única, à sociedade. Afinal, por não ficarem presos dentro da caixa, são capazes de grandes insights criativos e podem enriquecer o ambiente em que se encontram. Não dá pra apagar o pavio do foguetinho, temos apenas que apontá-lo para a direção certa.

© Roger Taussig Soares – Direitos Autorais Reservados

Back to top